Vocabulário-Letra R (04)

Vocabulário - Letra R (04)
(de termos empregados nos assuntos ligados à Educação Artística)


Edição e Pesquisa de Lenise M. Resende
 
Romantismo (1790-1850) - Movimento artístico, literário e filosófico surgido na França. Caracterizado por ser uma reação ao neoclassicismo, o romantismo chegou à pintura no início do século XIX. Na Espanha, o principal expoente é Francisco Goya (1746-1828). Na França destacam-se Eugène Delacroix (1798-1863) e Théodore Géricault (1791-1824). Na Inglaterra, o paisagismo de William Turner (1775-1851) e John Constable (1776-1837) os incluiu no rol da pintura romântica. Na Alemanha, destacam-se as paisagens de Caspar David Friedrich (1774-1840).

 
Romantismo no Brasil - O romantismo surge em 1830, influenciado pela independência, em 1822. Desenvolve uma linguagem própria e aborda temas ligados à natureza e às questões político-sociais. Defende a liberdade de criação e privilegia a emoção. As obras valorizam o individualismo, o sofrimento amoroso, a religiosidade, a natureza, os temas nacionais, as questões político-sociais e o passado. Os artistas brasileiros dedicam-se a pinturas históricas, que enaltecem o império e o nacionalismo oficial. Exemplos são as telas A Batalha de Guararapes, de Victor Meirelles (1832-1903), e A Batalha do Avaí, de Pedro Américo (1843-1905). O romantismo também influencia as obras dos pintores Araújo Porto Alegre (1806-1879) e Rodolfo Amoedo (1857-1941). (Fonte: Almanaque Abril 2001)

 
. Victor Meirelles (1832-1903) – Deteve-se no registro da história nacional, na representação do império e na guerra do Paraguai. Do ponto de vista da composição, observam-se afinidades de sua pintura com o espírito romântico. Dentre suas principais obras estão: A Primeira Missa no Brasil (1860), A Batalha dos Guararapes (1879), Passagem do Humaitá e Combate Naval do Riachuelo (ambas de 1882). A expressividade da cor e a atenção às paisagens estão entre as marcas do pintor. O tom grandioso e o ímpeto da ação aparecem como elementos fortes de suas narrativas visuais, que, longe de assinalarem a crueldade da guerra, visam enobrecê-la. (Fonte: Enciclopédia Itaú Cultural)

 
Publicado em 13/12/2010 – 17:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário